O SEQUESTRO DA TIA MARINA

PERSONAGENS: TIA MARINA, LEONARDINO, BRUNINO, TOURO (o cachorro), SACO DE VENTO, SILVIO DIABOS, CHACRETE I, CHACRETE II, ZÉ-DO-POVO, DEQUINHO, MARIO HENRIQUE SIMÃO, o Terrível, ESNESTO GEISER, o Flagelo de Deus, JOÃO BATISTA FIGUEIRADA.

MÁRIO HENRIQUE SIMÃO: Como vão, meus amigos? Meu nome é Mário Henrique Simão, o Terrível. Venho aqui para lhes apresentar um plano. (soluço) O plano mais diabólico que existe. Chama-se o Projeto Brigadeiro. (soluço) Ali vem o meu chefe, Ernesto Geiser, o Flagelo de Deus. (soluço) Vou esperar ele chegar e já conto pra ele e vocês também ficam sabendo de tudo. (soluço)

ERNESTO GEISER: Como vai, Simão, o Terrível?

MÁRIO HENRIQUE SIMÃO: Tudo bem com a sua Excelência?, Excelência! (soluço)

ERNESTO GEISER: Ora, Simão, andou bebendo de novo?

MÁRIO HENRIQUE SIMÃO: Excelência excelentíssima, não pude evitar a inauguração das novas instalações daquela multinacional! (soluço) Mas quero lhe apresentar meu plano diabólico. Chama-se o Projeto Brigadeiro.

ERNESTO GEISER: Não dava pra bolar um Projeto Marechal?

MÁRIO HENRIQUE SIMÃO: Não, excelentíssima Excelência excelentíssima. É o Projeto Brigadeiro mesmo. Nunca ouviu falar do brigadeiro invisível da tia Marina?

ERNESTO GEISER: Ora, Simão, não me diga que acredita nessa história?


MÁRIO HENRIQUE SIMÃO: Já ouviu falar da tia Marina?

ERNESTO GEISER: Tia Marina! Aquela historiadora que fundou o Clube do Cio?

MÁRIO HENRIQUE SIMÃO: Do ócio, a Excelência quer dizer...

ERNESTO GEISER: Sim, acho que é isto. O que tem a ver o Clube do Ócio com o Projeto Brigadeiro?

 

MÁRIO HENRIQUE SIMÃO: É o seguinte. (soluço) Tem uns amigos aí, por acaso todos estrangeiros, que ouviram falar do brigadeiro invisível da tia Marina. Querem montar uma indústria multinacional para fortalecerem o nosso progresso.

ERNESTO GEISER: Excelente idéia, Simão. Você não é tão bêbado como dizem. Mas o que é de fato o brigadeiro invisível.

MÁRIO HENRIQUE SIMÃO: Ora, Excelência, o brigadeiro é aquele docinho que tem uns chocolatinhos em volta.

ERNESTO GEISER: Continuo não gostando do nome brigadeiro. Vou assinar um ato institucional para mudar o nome do doce. Em vez de brigadeiro, vai se chamar marechal.

MÁRIO HENRIQUE SIMÃO: Ora, excelentíssima Excelentíssima. Já pensou, os meninos sairem por aí dizendo que comeram um marechal, que comeram dois marechais, que comeram todos os marechais que estavam na festa? Não fica bem.

ERNESTO GEISER: Tem razão. E o que faremos para por em prática o Projeto. Faço um pacote?

MÁRIO HENRIQUE SIMÃO: Outra tática. Primeiro chamarei meu espião para descobrir tudo sobre a tia Marina.

ERNESTO GEISER: Então, mãos à obra.

MÁRIO HENRIQUE SIMÃO: Saco de Vento! Saco de Vento!

ERNESTO GEISER: Bem, eu vou andando. Até logo. (sai)

MÁRIO HENRIQUE SIMÃO: Até logo, excelentíssima Excelência excelentíssima. Saco de Vento! Saco de Vento!

SACO DE VENTO: (entra) Chamou?, patrão.

MÁRIO HENRIQUE SIMÃO: Sim. Quero que faça um dossiê sobre a tia Marina.

SACO DE VENTO: É alguma comunista?

MÁRIO HENRIQUE SIMÃO: Nem tanto.

SACO DE VENTO: Subversiva?

MÁRIO HENRIQUE SIMÃO: Nem tanto.

SACO DE VENTO: Artista?

MÁRIO HENRIQUE SIMÃO: Nem tanto.

SACO DE VENTO: Pornográfica?

MÁRIO HENRIQUE SIMÃO: Nem tanto.

SACO DE VENTO: Então, pra quê dossiê?

MÁRIO HENRIQUE SIMÃO: Silencio! Esqueceu o seu lema?

SACO DE VENTO: Não, senhor. "Cumprir ordens, sem saber por quê! Obedecer, obedecer, obedecer!" Um dossiê sobre a tia Marina. Vamos lá.

MÁRIO HENRIQUE SIMÃO: Vamos, vamos. (saem)

*****

TIA MARINA: (canta) Quando estiveres sem amparo nem guarida

e me pedires um prato de comida

la la la la la la la...

LEONARDINO: Tia Marina! Tem mais brigadeiro?


TIA MARINA: Ih, Leonardino. Acho que o Touro comeu o resto.

BRUNINO: Tia Marina! Eu também quero mais brigadeiro.

TOURO: E eu, se não fosse incômodo, gostaria de receber a minha parcela.

TIA MARINA: Cruz credo. Vocês vão ficar com caganeira. Acho que vou fazer cocada.

LEONARDINO: Eu prefiro brigadeiro.

BRUNINO: Eu também.

TOURO: E eu, de minha parte, não posso deixar de manifestar minha modesta opinião, que, como a de Leonardino e de Brunino, meus pupilos, pende inteiramente para os saborosos brigadeiros.

TIA MARINA: Eia, Touro. Parece até o Floriano depois que lê o Machado de Assis. Vão todos três lá pra fora que eu vou fazer mais. (saem os três)

TIA MARINA: (cantando todo o tempo) Quando estiveres sem amparo nem guarida...

SACO DE VENTO: (meio escondido) Dossiê da tia Marina. Filha de tradicional familia mineira. Historiadora, historiógrafa, historióloga, historienta, historieira, já lecionou inclusive no Boqueirão...

TIA MARINA: ... vai, por esse mundo afora...

SACO DE VENTO: ...Tem alergia por camarão e por livro velho. Faz parte do famoso clube do tricô, de quarentonas curitibanas e é exímia confeccionadora de "fondu"...

TIA MARINA: ...e qualquer dia vais bater à minha porta,

desesperada, soluçando e quase morta...

SACO DE VENTO: Idade: 355 anos.Vinte de Belo Horizonte, vinte de Paraná, incluindo os dias do Guabirotuba, e o resto na irresistível São Paulo, a terra do barulho e do monóxido de carbono. Segundo ela, cada ano vivido em São Paulo equivale a dezenas de anos...

TIA MARINA: ...quando estiveres sem amparo nem guarida...

SACO DE VENTO: ...Atividades culturais: brigadeiro, bolo de fubá, geléia de amora, pão de queijo, fondu, pavê, frango xadrez, frango ao molho pardo, maria mole...

TIA MARINA: ...e me pedires um prato de comida...

SACO DE VENTO: ...Vencedora do primeiro e único concurso internacional de fantasias exóticas, promovido pelos Teles, no ano de 1970, quando participou com a original caracterização de Vendedor Ambulante. (sai)

TIA MARINA: ...Vai, por este mundo afora...

LEONARDINO: Tia Marina, acabou de fazer o brigadeiro?

TIA MARINA: Ainda não, Leonardino.

TOURO: Tia Marina, eu e o Brunino também estamos esperando os brigadeiros. (entram Saco de Vento e dois mascarados)

MÁRIO HENRIQUE SIMÃO: É esta aqui, Excelência.

ERNESTO GEISER: Tia Marina, têje presa!

TIA MARINA: Jesus! Esta história até parece que é de verdade. Socorro! Ladrão! Chama o ladrão! Chama o ladrão que a polícia chegou! Socorro!

LEONARDINO: Solta, Solta a tia Marina.

MÁRIO HENRIQUE SIMÃO: Quem é você?

LEONARDINO: Leonardino, o sobrinho preferido da tia Marina!

MÁRIO HENRIQUE SIMÃO: Que faremos com o sobrinho?, Excelência.

ERNESTO GEISER: Sobrinho? Prende também. Têje preso, sobrinho.

BRUNINO: Larga a tia Marina e o meu irmão.

MÁRIO HENRIQUE SIMÃO: Quem é você?

BRUNINO: Brunino, o sobrinho predileto da tia Marina.

ERNESTO GEISER: Outro sobrinho! Têje preso também. E de quem é este cachorro?

TIA MARINA: É dos sobrinhos. Ui, ai! Chama o ladrão! Chama o ladrão!

ERNESTO GEISER: Prende o cachorro também! Ele deve saber das coisas. Têje preso, cachorro! (enorme confusão; Touro foge)

TIA MARINA: Viva, o Touro fugiu. O Touro fugiu e vai nos salvar. (saem todos)

TOURO: Eles levaram a tia Marina e os meninos. Estão exigindo cinco milhões de resgate. O resgate é para parecer que não é crime político. Onde vou conseguir tanto dinheiro? Ah! já sei! A televisão! O programa Silvio Diabos está dando um prêmio de um milhão para cada pergunta respondida. Uma pergunta, um milhão! Vou já já pra lá. (canta)

A televisão

é a unica saída.

Minha salvação

é a televisão.

A televisão

que agora é colorida.

Uma tentação

é a televisão.

*****

TIA MARINA: Não adianta, inimigos. Vocês querem uma coisa impossível: a fórmula do brigadeiro invisível. Esqueceram o mais importante detalhe. O dossiê não está completo.

SACO DE VENTO: Qual é o detalhe? Você está querendo ganhar tempo.

TIA MARINA: Esqueceram que eu nunca sigo a receita. Não há fórmula para o brigadeiro invisível. Ponho um pouco mais do mais barato, tiro um pouco do mais caro, vou mexendo, vou tirando, vou acrescentando, minhas fórmulas são espontâneas.

SACO DE VENTO: E por que você faz as coisas desse jeito?

TIA MARINA: Ora, você quer mesmo saber? É mais ou menos assim: (ela canta; Leonardino e Brunino cantam com ela o refrão)

(Assim como está

não dá.

Do jeito que vai,

não sai.)

O ovo tá caro?

E raro!

A carne quem tem?

Ninguém!

E o Simão, o sofista,

Otimista. (Assim como está...)

O leite subiu?

Sumiu!

O queijo e o chouriço?

Sem isso!

E o Simão, o sofista,

Otimista. (Assim como está...)

A banha e a gordura?

Impura!

E a velha salada?

Sem nada!

E o Simão, o sofista,

Otimista. (Assim como está...)

O arroz e o feijão?

Tem não!

Manteiga também?

Não tem!

E o Simão, o sofista,

Otimista. (Assim como está...)

(observação: ao final deste texto, coloco a versão atualizada desta canção, feita mais recentemente; que triste!)

*****

SACO DE VENTO: Chega de cantoria! Queremos a fórmula até o anoitecer. Se não...

LEONARDINO: Se não, o quê?

SACO DE VENTO: Se não, vamos levar a tia Marina para Ponta Grossa e ela vai ser obrigada a recepcionar todas as madames da cidade.

TIA MARINA: Ai, cruz credo! Vamos fazer o seguinte: tragam leite, leite condensado, chocolate, ovos, manteiga, queijo, geléia, salame, maçã, pera, abóbora, noz moscada, salsicha, frango, cabrito, porco, carneiro, vitela, gambá, tatu, onça pintada, onça despintada, cachorro do mato e cachorro da cidade.

SACO DE VENTO: Pra quê tudo isto

TIA MARINA: Vou tentar de novo a receita.

SACO DE VENTO: Mas brigadeiro se faz com leite condensado, chocolate e manteiga.

TIA MARINA: Não o meu brigadeiro. Tenho que começar tudo de novo. Até encontrar a fórmula secreta.

SACO DE VENTO: Então, é pra já. Vou arranjar um caminhão pra trazer tudo.

TIA MARINA: E onde vai arranjar tanta coisa?

SACO DE VENTO: Ora, é fácil! Vou falar com a mordoma do ministro. Ela tira tudo da geladeira dele. E ele nem vai sentir a falta. (saem)

*****

(luzes, música, dança, gritos)

VOZES: A televisão

suprime qualquer carência.

A televisão

destrói a sua inteligência.

CHACRETE I: (sensual) Faça como eu. Use o sabonete Parmolivi. Nove entre dez estrelas de Hollywood... não tomam banho. A última usa Parmolivi. Estraga a pele lentamente, provoca cravos e espinhas, assadura, alergia, bicheira, eczema e ziquezira. Só Parmolivi. Uuuuhhh! (joga um beijo)

VOZES: A televisão...

CHACRETE II: (elétrica, com gritinhos) Spray! Spray! Spray! A novidade do século. Faz proliferar mais os insetos. Notável poluente. Provoca reumatismo, pneumonia e hemorróida. Bio-indestrutível! Dentro de dez anos o spray dominará a terra. Não deixe de comprar. Compre uma lata de spray e ganhe um carro. Um carro! Preço do spray: sessenta mil cruzeiros a lata. Spray! Spray! Spray!

VOZES: A televisão...

ZÉ DO POVO: Eu me chamo Zé do Povo. Eu já fumo o cigarro Ministro, aquele grosso que só faz estragos. E agora, pra ficar igual na propaganda, só falta o carrão, os cães de raça, o palacete e as duas louras...

VOZES: A televisão...

SILVIO DIABOS: Boa noite, boa noite, boa noite! E agora, continuando nosso programa, telespectadores de todo o país, com transmissão via Embratel, chamaremos nosso próximo candidato para...UMA PERGUNTA... UM MILHÃO...o maior jogador de xadrez do lado de baixo do Equador! Dequinho!

DEQUINHO: (entra) Boa noite, fãs queridas! (palmas e gritos)

SILVIO DIABOS: Vamos, então, à nossa pergunta de hoje. Qual é o animal que tem quatro patas, produz a lã, faz mé, começa com CAR e termina com NEIRO? (palmas)

DEQUINHO: Começa com CAR... carne-seca! (palmas e gritos)

SILVIO DIABOS: Calma, minha gente! É uma pergunta um tanto ou quanto difícil. Não é esta a resposta, Dequinho. Lembre-se de que a palavra termina com NEIRO... NEIRO...

DEQUINHO: NEIRO... torneiro... (palmas e gritos)

SILVIO DIABOS: Calma, Dequinho. Você está nervoso, não é pra menos, telespectadores, a pergunta vale um milhão! Começa com CAR...

DEQUINHO: CAR...

SILVIO DIABOS: Termina com NEIRO.

DEQUINHO: NEIRO... CAR... NEIRO... CAR... NEIRO...

SILVIO DIABOS: Absolutamente certo! Palmas, palmas, palmas! Senhoras e senhores, o inteligente Dequinho leva o milhão?

VOZES: Leva!

SILVIO DIABOS: Não ouvi direito! Leva ou não leva?

VOZES: Leva! Leva! Leva! (palmas e gritos)

DEQUINHO: Silvio, quero agradecer a magnífica oportunidade, aproveitando para elogiar a mulher brasileira. Viva a mulher brasileira! (silêncio) Pois é. Queria também pedir uma coisa. Ganhei um milhão?

SILVIO DIABOS: Claro, Dequinho. O milhão é seu.

DEQUINHO: Será que não dava pra trocar por um milhinho? A minha galinha é garnisé. Ela vai se engasgar com um milhão.

SILVIO DIABOS: Ha... ha... ha... ha... Como é espirituoso esse Dequinho. Palmas, palmas, palmas. (palmas e gritos) Agora, os nossos comerciais! (confusão, gritos, todos desaparecem)

*****

TIA MARINA: Atenção, Leonardino e Brunino. Saco de Vento está dormindo. Vamos comer estes brigadeiros invisíveis e desaparecer daqui. (comem; desaparecem)

SACO DE VENTO: (acordando) Excelência! Excelência! Oh, eles fugiram. Precisamos enquadrá-los, precisamos enquadrá-los.

*****

(chacretes, palmas, gritos, danças)

SILVIO DIABOS: Atenção para o nosso próximo candidato: Touro, o cachorro filósofo. (palmas, gritos) A quantas perguntas você pretende concorrer?, meu Touro.

TOURO: Cinco perguntas. Cinco perguntas, cinco milhões.

SILVIO DIABOS: Cinco? Mas é fantástico! Palmas! Palmas!

VOZES: Ele merece! Ele merece! Ele merece!...

SILVIO DIABOS: Uma pergunta, um milhão. Como se chama o inventor do avião. Começa com SANTOS, termina com DUMONT.

TOURO: Santos Dumont. (palmas e gritos)

VOZES: Ele merece! Ele merece! Ele merece!...

SILVIO DIABOS: Duas perguntas, dois milhões. Segunda pergunta: Qual o nome do regime político em que o povo manda. Começa com DITA, acaba com DURA.

TOURO: Democracia! (palmas e gritos)

VOZES: Ele merece! Ele merece! Ele merece!...

SILVIO DIABOS: Um momento, auditório. Não, não, não, não! Eu tenho outra resposta. Preste atenção: governo do povo. Começa com DITA, acaba com DURA.

TOURO: Democracia!

SILVIO DIABOS: Diabos: Um momento, vamos conferir. O quê? Troquei a ficha? Nossos organizadores comunicam que a produção trocou a ficha. A resposta é... democracia! (palmas e gritos)

VOZES: Ele merece! Ele merece! Ele merece!...

SILVIO DIABOS: Três perguntas, três milhões. Terceira pergunta: Quem botou fogo em...

TOURO: Roma? Nero! (palmas e gritos)

VOZES: Ele merece! Ele merece! Ele merece!...

SILVIO DIABOS: Fantástico, fantástico. Quatro perguntas, quatro milhões. Quarta pergunta: Quantos segundos tem um ano?

TOURO: O ano tem 365 dias, 5 horas, 48 minutos e 46 segundos. Portanto, multiplicando-se, tem-se: o dia tem 86.400 segundos, a hora tem 3.600 segundos e o minuto tem 60 segundos, para o ano, o total de 31.536.000 segundos, mais 18.000 segundos correspondentes às cinco horas, 2.880 segundos correspondentes aos 48 minutos, perfazendo o total de... 31.556.926 segundos. (palmas e gritos)

VOZES: Ele merece! Ele merece! Ele merece!...

SILVIO DIABOS: Incrível! Fantástico! Extraordinário! Vamos à pergunta final. Cinco perguntas, cinco milhões. Quem fez o Cristo Redentor?

TOURO: Em 1881, os engenheiros Pereira Passos e Teixeira Soares solicitaram ao imperador a concessão de uma estrada de ferro até o pico. No dia 09 de outubro de 1884, tendo entre seus primeiros passageiros o próprio imperador, Pedro II, foi solenemente inaugurada a via férrea. No dia 12 de outubro de 1931 teve lugar a inauguração do momumento e a estátua foi iluminada pelo cientista italiano Marconi, que fez a ligação a bordo de seu iate Electra. O monumento tem 38 metros de altura, sendo 8 do pedestal, 30 da estátua. A cabeça mede 3,75 metros e é de 28 metros a distância entre os dedos das duas mãos. A estátua pesa 30 toneladas.

VOZES: Ele merece! Ele merece! Ele merece!... (cantos, danças, palmas, gritos, berros, etc) (música)

***

TOURO: Bem, agora tenho cinco milhões. Preciso encontrar os sequestradores que levaram tia Marina e os sobrinhos.

****

TIA MARINA: Bem, agora estamos livres e invisíveis. Nós três podemos ver todo mundo mas ninguém pode nos ver.

****

SACO DE VENTO: Eu juro, Excelências. Acho que eles são espiões comunistas. Enquanto eu dormia, eles desapareceram. Devem ter a fórmula secreta.

MÁRIO HENRIQUE SIMÃO: Seu burro! Ela fez o brigadeiro e eles comeram e desapareceram. Seu burro! Não vou mais te dar o governo de Paranipe. E agora, eu já gastei o dinheiro que ganhei de presente da Motors e Eletric, como vou fazer? Vou tomar um porre daqueles.

ERNESTO GEISER: Uma providência se faz imediata. Ninguém pode saber de nada. Vou proibir a divulgação dos fatos. (entram tia Marina, Leonardino e Brunino com pedaços de pau) (cantam e batem)

OS TRÊS HERÓIS: Porcos, gatos, vermes.

OS TRÊS VILÕES: Socorro, socorro!

OS TRÊS HERÓIS: Morcegos, aranhas, lacraias.

OS TRÊS VILÕES: Socorro, socorro!

OS TRÊS HERÓIS: Marimbondos, jararacas, sanguessugas.

OS TRÊS VILÕES: Socorro, socorro!

OS TRÊS HERÓIS: Rinocerontes, jaguatiricas, sussuaranas,

OS TRÊS VILÕES: Socorro, socorro!

OS TRÊS HERÓIS: Percevejos, gafanhotos, pernilongos.

OS TRÊS VILÕES: Socorro, socorro!

OS TRÊS HERÓIS: Raposas, hienas, lombrigas.

OS TRÊS VILÕES: Socorro, socorro!

OS TRÊS HERÓIS: Asnos, ratos, tigres.

OS TRÊS VILÕES: Anistia, anistia!

(observação: a versão mais nova desta canção apenas trocou alguns dos nomes dos bichinhos, coitadinhos; que triste!)

TIA MARINA: Anistia? Anistia? Anistia é isto aqui! (batem nos três; Saco de Vento explode)

LEONARDINO: Saco de Vento explodiu! Saco de Vento explodiu!

BRUNINO: Fuuumm! Que cheiro de ovo podre!

TIA MARINA: Acho que não era Saco de Vento. Era Saco de Peido! (batem mais)

TOURO: (entrando) Gente! O que é isto? E o respeito devido aos inalienáveis direitos humanos?

TIA MARINA: Direitos humanos? Direitos humanos é o nome dos nossos porretes. Direitos humanos neles! Tomem, tomem! (batem até que os dois fujam)

TODOS: Fugiram, fugiram, fugiram!

TOURO: E agora, o que vamos fazer com os meus cinco milhões?

LEONARDINO: Cinco milhões? Oba!

BRUNINO: Vamos fazer cinco milhões de brigadeiros.

LEONARDINO: Não, Brunino. Cinco milhões divididos por doze, dá 416.666,66. Podemos fazer 416.666,66 brigadeiros por mês.

TODOS: Viva! Viva! Viva! (entra João Batista Figueirada, montado num cavalo de jornal).

JOÃO BATISTA FIGUEIRADA: Oi, meus concidadãos. Sou João Batista Figueirada. Qual é o caminho para Brasília?

TOURO: Depende. Se o senhor pretender ir nas asas do avião da Companhia Eleição Direta, nunca vai chegar lá. Mas se for na base do arreio, espora, freio e chicote, não faltarão cavalgaduras para conduzí-lo.

JOÃO BATISTA FIGUEIRADA: Obrigado, concidadãos. Adeus.

TODOS: Ao diabo! Ao diabo!

TIA MARINA: Quer experimentar dos nossos direitos humanos?

LEONARDINO: Viva o Touro, que conseguiu cinco milhões!

TODOS: Viva!

TOURO: Viva o Leonardino, que furou o Saco de Vento!

TODOS: Viva!

BRUNINO: Viva a tia Marina, que faz o brigadeiro invisível!

TODOS: Viva!

TIA MARINA: Viva o Brunino, que faz aniversário hoje!

TODOS: Viva!

Curitiba, 10 de outubro de 1978.

****

Versão moderna da canção da TIA MARINA:

AI DE NÓS!

"O entreguismo não se dá apenas com a entrega de estatais, a preço de banana. Também se dá com a doação da poupança de toda uma nação às Centrais Internacionais de Agiotagem". (Do livro: Elogio da Obscenidade, de Erasmus de Roter-dão).

Assim como está,

não dá.

Do jeito que vai,

a casa cai.

O ovo tá caro?

- E raro!

A carne, quem tem?

- Ninguém!

Salário, subiu?

- Sumiu!

Manteiga, também?

- Não tem!

E o Meireles, sofista? - Otimista!

E o Palocci, escapista? - Otimista!

E o Lula, entreguista? - Otimista!

E o PT

que camufla,

protege,

e esconde

e mantém

vigarista? - Otimista!

Assim como está,

não dá.

Do jeito que vai,

a casa cai.

O queijo e o chouriço?

- Sem isso!

O arroz e o feijão?

- De cão!

A banha, a gordura?

- Impura!

E a malversação?

- Sei, não!

E o Meireles, sofista? - Otimista!

E o Palocci, escapista? - Otimista!

E o Lula, entreguista? - Otimista!

E o PT

que camufla,

protege,

e esconde

e mantém

vigarista? - Otimista!

Assim como está,

não dá.

Do jeito que vai,

a casa cai.

Os aposentados?

- Coitados!

E o banco, inocente?

- Contente!

Alguns deputados?

- Safados!

E o Presidente?

- Ausente!

E o Meireles, sofista? - Otimista.

E o Palocci, escapista? - Otimista.

E o Lula, entreguista? - Otimista.

E o PT

que camufla,

protege,

e esconde

e mantém

vigarista? - Otimista!

Atualizado em ( 19 - 10 - 2013 15:47 )