ESPERANTO? PRA QUÊ? (6) CONCLUSÃO - MINHA.

Nota: Esta pequena série de textos foi feita para um "folder" com o objetivo de informar sobre o Esperanto, na ocasião em que fui presidente da Associação Paranaense de Esperanto (1988-1989). Eu achava que os textos de então eram muito sucintos. Minha intenção era divulgá-los entre pessoas mais interessadas no assunto. Observo que a parte escrita a partir da linha de asteriscos está sendo acrescentada agora.

Para cada povo, a sua língua. Para todos os povos, uma língua: o Esperanto. (Zamenhof)
Eis o ideal da língua Esperanto, assumido pelo seu próprio criador. Um ideal abrangente e ousado, que incluía já a condição de neutralidade absoluta.
Que soluções poderia apresentar o Esperanto no mundo de hoje?
Imagine uma língua que você possa dominar quase ou tão bem quanto a sua própria! Fácil? Absolutamente não! Mas, com certeza, a mais fácil de todas as línguas do mundo. Porque, ainda sendo capaz de espelhar inteiramente todo o universo (já que reflete a "cultura" do mundo inteiro, nada lhe escapa), tem a regularidade lógica da linguagem infantil (do tipo: eu fazi, eu trazi).
O Esperanto não é certamente a solução para os problemas do mundo. Mas qualquer solução honesta e integral para os problemas do mundo terá que passar por ele.

**********************************************************

Não sei se esta afirmativa final, escrita há vinte e quatro anos, é um desejo, uma utopia, uma profecia, uma intuição, uma tolice, o que seja:
O esperanto não é uma solução para os problemas do mundo. MAS QUALQUER SOLUÇÃO HONESTA E INTEGRAL PARA OS PROBLEMAS DO MUNDO TERÁ QUE PASSAR PELO ESPERANTO.

O planeta está vivendo dias de perplexidade. O ser humano virou um zumbizinho idiota, comprador de quinquilharias. Em nome desse nocivo e equivocado bem-estar, a humanidade sacrifica o que tem de mais precioso: o crescimento individual em direção à única maturidade e ao único bom senso capazes de criar uma convivência pacífica. Além de aterrorizar o planeta com um lixo sufocante. Há uma descarada e cruel manipulação dos valores necessários à coexistência. Toneladas de dinheiro são gastas para a produção de venenos coloridos e sonoros, desprovidos da mínima inteligência. O objetivo é só um: a manutenção da burrice e da desinformação.

As guerras continuam. Interesses escondidos, mentiras públicas e crenças estúpidas as alimentam. Os cinco países do Conselho de Segurança da ONU são os maiores vendedores de armas. Os Estados Unidos invadem onde querem mas não assinam o Protocolo de Quioto (será efeito de drogas?, já que este país é o maior consumidor do mundo - que recorde mais filho-da-puta!). Durante as ditaduras latino-americanas os banqueiros internacionais subiram os juros das dívidas externas e os "milicodimerda" abaixaram o rabo e lamberam as botas dos embaixadores imperialistas. Esse milagre diabólico não ocorreu só por aqui. Muito dessas dívidas é ficção e outro tanto serviu para enriquecer contas particulares, protegidos pela peste negra que assola os países que não investem em educação.
Laboratórios internacionais patenteiam sangue humano, como se os pobres do mundo tenham que vir a pagar pelo líquido sagrado que lhes corre nas veias. Animais peçonhentos entregam o subsolo de imensas regiões a outros animais, mais peçonhentos ainda, a troco de piscinas, apartamentos em Miami ou Paris ou uma continha fajuta nesses paraísos fiscais, que outra coisa não são, se não filiais de bancos do inferno.
Os poderosos se juntam e se protegem. De vez em quando trocam dentadas e arranhões. De vez em quando, também, organizam portentosas reuniões internacionais, cheias de glamur, onde barris de dinheiro alimentam discussões exibicionistas e ineficazes: paz no oriente médio, vamos salvar o planeta, o que vamos fazer com este paisico de merda que está querendo ter a bomba, onde já se viu?
As populações riem e dançam e se divertem. Todo mês sai uma novidadezinha mais do que maravilhosa, pra que o poder da hipnose não perca seus efeitos. Os americanos urinam e defecam filmes tão espetaculares quanto estupefacientes. Filmes sanduíches, todos recheados com muita violência...

Que tragédia! Precisamos meditar, precisamos nos sentar, uns diante dos outros, precisamos nos comunicar na tentativa de trocar idéias e sugerir possibilidades, precisamos forçar governantes...
Em que língua? Cidadãos do mundo!, em que língua falaremos? Se a solução for ficar calado, calemo-nos nas nossas línguas maternas. Mas se a intenção for participar dessa tentativa de melhoria do destino humano... temos a nosso favor a possibilidade da comunicação em Esperanto. Para que nossas palavras e nossas idéias tenham todas o mesmo peso e o mesmo valor.

Em Esperanto o dólar e o euro valem o mesmo que o dinheirinho de qualquer aldeia do mundo!

Atualizado em ( 20 - 10 - 2013 11:10 )