ESPERANTO? PRA QUÊ? (3) O QUE SIGNIFICA HEGEMONIA LINGUÍSTICA?...

(nota: Esta pequena série de textos foi feita para um "folder" com o objetivo de informar sobre o Esperanto, na ocasião em que fui presidente da Associação Paranaense de Esperanto (1988-1989). Eu achava que os textos de então eram muito sucintos. Minha intenção era divulgá-los entre pessoas mais interessadas no assunto. Observo que a parte escrita a partir da linha de asteriscos está sendo acrescentada agora.)

Quando se analisa um Atlas Histórico, verifica-se correntes migratórias ao longo de toda a história da humanidade. Muitas são as causas que levam um grupo de uma determinada cultura à ocupação de outra região. O resultado porém, sempre, foi um só: uma inevitável fusão de ingredientes culturais, cujas proporções variam.
A língua de um grupo é um desses ingredientes. A língua é o absoluto inventário de toda cultura. Não existe em nenhum ponto da história do homem algo a que não se atribua um nome ou um nome desvinculado de seu objeto.
Voltando-se ao Atlas, percebe-se que todas as ocupações se deram apenas de duas maneiras: ocupação de uma região vazia ou conquista. Não se pode dizer que toda a conquista tenha sido feita através da força. Existem também a persuasão e a sedução.
Será verdade que as línguas se impõem e morrem como se impõem e morrem os impérios? Não se pode negar que, qualquer que seja a causa, determinadas línguas são mais importantes em determinadas épocas. E a importância de uma língua significa uma certa hegemonia do país que a veicula. Nem sempre uma língua se impõe sobre outra através de ordens do tipo "tal língua ou a morte".  Muitas vezes um grupo aceita outra língua por considerá-la vantajosa no seu dia a dia.
A civilização abomina a violência, mas não consegue aniquilá-la. A violência veste máscaras e continua a fazer de vítimas a povos inteiros. Suavemente uma cultura se impõe à outra através de gastos em propaganda sobre filmes e livros e canções. Tudo através de uma língua. Num tempo já foi dito que ópera só em italiano (pobre Mozart!), filosofia só em alemão (pobre Russel!), cinema só em inglês (pobres de nós todos). O que não é dito é que atrás do filme vem o carro a ser vendido, atrás do livro vem um estilo de pensamento e atrás da canção uma maneira de ver o mundo. Trocamos a liberdade de descobrir nossas formas de vida pela liberdade de engolir formas de vida alheias aos nossos interesses.
É inegável a substituição de certos fatores culturais por outros mais complexos: o culto ao deus Dionísio se transformou na tragédia grega; é dessa forma que a civilização progride. O povo que influencia outro também sofre influências internas através de alterações provocadas por grupos mais fortes.
Ao contrário, é altamente questionável acreditar que só dessa forma se dê o progresso: isto é, para que haja progresso não pode haver a convivência entre culturas diferentes.

**************************************************

O texto acima foi escrito antes do advento do computador. Se para cada objeto ou idéia é preciso uma palavra, o que aconteceu recentemente foi que o mundo inteiro ficou à mercê de uma inevitável avalanche de palavras inglesas. O muito curioso é que a maioria dessas palavras são do dia a dia dos falantes do inglês; exemplos, "to delete", "site", "link".
Quero dizer com isto que palavras da língua inglesa já existentes foram adaptadas para algumas "ações" ou "ferramentas" ofertadas pelo computador. Mas, por causa de uma série de atributos ou partes da máquina, houve, sim, a necessidade da criação de novas palavras. Isto não é hegemonia mas é uma das facetas que a hegemonia apresenta, já que geralmente são os países mais avançados aqueles que espalham pelo mundo os novos filhos do progresso.
Não reconhecer que o inglês seja língua hegemônica atualmente é querer dar murro em ponta de faca. Mas afirmar que ela é internacional é burrice. Em muitos países muçulmanos o árabe é a língua mais falada (pensemos nas línguas tribais da África). O russo se mantém ainda como língua de comunicação nos países da falecida cortina de ferro. O mandarim e o hindi são línguas hegemônicas.
Afirmar que o mundo não precisa de uma língua internacional também é dar murro em ponta de faca. Mas admitir que essa língua tem que ser o inglês também é burrice.

Atualizado em ( 20 - 10 - 2013 11:07 )