Gil Vicente. AUTO DA FEIRA (1527)

                                   Roma

Resumo
: Mercúrio, o deus do comércio, após zombar da astrologia, ordena ao Tempo que arme uma tenda para uma feira de natal, a Feira das Graças: "Faço mercador-mor, ao Tempo, que aqui vem; e assim o tenho por bem, e não falte comprador, porque o Tempo tudo tem". O Tempo - falando em decassílabos - arma a barraca e chama os visitantes. Ali nada será vendido, mas trocado. Um Anjo (Serafim) conclama os papas a pegar novas vestes, como as dos antigos. O Diabo também arma sua tendinha: tem "artes de enganar", "falsas manhas de viver", para clérigos e frades, "hipocrisia" para quem quer ser bispo. Entra Roma que quer comprar a paz que não encontra entre os cristãos. A ela, o Diabo oferece: "Vender-vos-ei nesta feira, mentiras, vinte três mil, todas, de nova maneira, cada uma mais sutil, que não vivais em canseira". Roma vai ao Anjo e diz: "Oh, vendei-me a paz dos céus pois tenho o poder da terra". O Anjo: "Atentai com quem lutais, que temo que caireis". Após a saída de Roma, entram dois lavradores. Ambos querem se livrar das mulheres, uma é muito brava e a outra muito mansa. Um acaba por elogiar a mulher do outro e falam em trocar (feirar) as duas. Chegam outros vendedores e compradores que se instalam junto à tenda. Uma mulher fala o nome de Jesus e o Diabo desaparece, ficando o Tempo e o Anjo. A algumas moças, o Tempo oferece consciência. A outras, o Anjo oferece virtude. Mas todas recusam. Vieram à feira porque ouviram falar que nela está Nossa Senhora. E todos cantam um hino em honra da Virgem.



GV112. Roma
Sobre mi armavão guerra:
Ver quero eu quem a mi leva.

Tres amigos que eu havia,
Sobre mi armão porfia:
Ver quero eu quem a mi leva.
(canta Carmen Ziege)
 
 

GV113. Todos
Blanca estais colorada,
Virgem sagrada.

Em Belem villa do amor
Da rosa nasceo a flor:
Virgem sagrada.
Em Belem villa do amor
nasceo a rosa do rosal:
Virgem sagrada.

Da rosa nasceo a flor,
Pera nosso Salvador:
Virgem sagrada.
Nasceo a rosa do rosal,
Deos e homem natural:
Virgem sagrada.
(canta Jorge Teles)

 

Comentário: Eis uma das mais violentas mostras do anti-clericalismo de Gil Vicente, que, profundamente religioso, não perdia a oportunidade para condenar os padres fingidos e, inclusive, Roma, com sua simonia - diabólico comércio de virtudes e objetos sagrados, para a salvação. A peça, todavia, fica desequilibrada, pois muda de rumo, após a saída da alegoria de Roma. Entram camponeses, há cenas cômicas entre todos e terminam por cumprir o objetivo do auto, que era festejar o natal. Na verdade, é o início da peça que está deslocado, já que as presenças de Roma, do Diabo, do Tempo e do Anjo lembram mais o clima do Auto da Barca do Inferno.
    Na edição da obra de Gil Vicente de 1586, quando o Tribunal do Santo Ofício já vigorava em Portugal e já se acendia fogueiras para queimar os hereges, a Censura Inquisitorial cortou 21 versos do texto original.

Atualizado em ( 07 - 11 - 2013 18:04 )