Gil Vicente. AUTO DA HISTÓRIA DE DEUS (1527)

  

                                       a morte

 

Resumo: Um Anjo faz o prólogo. Diz que a apresentação mostrará a criação do mundo ab initio mundi até a Ressurreição. O mundo foi criado mas Lúcifer foi tomado de inveja. Segundo o demônio Belial, seu ajudante na Corte, Deus deu ao homem e à mulher, o que tomara deles, demônios. Lúcifer ordena a Satanaz: "Faze-te de cobra, por dissimular, porque pareças do mesmo pomar, que sabes das frutas as graças que têm; porque hás de dizer: Senhora fermosa, deveis de saber que aquela fruta que vos foi vedada, oh, quanta ciência, em si tem encerrada".
    Após o primeiro pecado, que foi a desobediência, o Anjo traz o Mundo, vestido como um rei, e o Tempo. O Mundo vai oferecer a Adão e Eva condições de sobrevivência. Surge a Morte e Eva diz: "isto nasceu da triste de mi, por nossa tristura". O Mundo faz vir Abel, o primeiro homem nascido de mulher, que conhecerá a Morte. Abel, pastor menino, canta um vilancete louvando a natureza. Satanaz tenta Abel, mas é rechaçado. Vem a Morte para levar o pastor: "Oh, Tempo, tão curtas são aqui as vidas?". É deixado no Limbo. A Morte leva para lá também a Adão e Eva. O Mundo faz vir a Jó. Satanaz tenta Jó, que é castigado com a morte dos filhos, a perda dos bens e a lepra. Diante da Morte diz Jó: "e pois que ele é o Juiz da verdade, faça-se logo, sem mais dilatar, a sua vontade". O Mundo traz Abraão, Moisés, Isaías e Davi. Diz Abraão: "Ó Deus mui alto, ignoto, escondido, demonstra-te às gentes, que já tempo é". Diz Moisés: "E ele estará em pessoa comigo aos cinco livros, quando os escrever".  Diz Davi: "O sacrifício a Deus mais aceito é o espírito mui atribulado". E Isaías: O sacrifício é o Messias, que será nascido em Belém de Judá". Louvam a criação do mundo e anunciam, cada um a seu modo, a chegada do Messias. A Morte os leva. João Batista vem e faz uma prédica: "Ó bravas serpentes que em serras andais, ó dragos ferozes que estais nos desertos, ouvi os secretos que estão encobertos". É tentado mas repele a Satã e anuncia o Cristo. É levado também. No Limbo encontra os outros mortos e todos cantam um hino, pedindo que a Virgem os liberte daquele cárcere escuro, através do nascimento de seu filho. Entra Cristo. O Mundo, o Tempo e a Morte se ajoelham. Cristo fala ao Mundo e ao Tempo. Satanás o tenta com as tentações bíblicas (na tentação sobre a adoração, indica logradouros de Portugal). Cristo sai de cena, dizendo que vai a Jerusalém "porque o açoite me está esperando". Após a cena da Ressurreição, cantores trazem um Cristo morto, numa procissão. Ouve-se trombetas e flautas. O Cristo ressuscitado liberta os prisioneiros do Limbo.


    
GV099. Abel, pastor
Adorae, montanhas,
O Deos das alturas,
Tambem as verduras;
Adorae, desertos
E serras floridas,
O Deos dos secretos,
O Senhor das vidas:
Ribeiras crescidas,
Louvae nas alturas
Deos das creaturas.

Louvae, arvoredos
De fructo presado,
Digão os penedos,
Deos seja louvado,
E louve meu gado
Nestas verduras
O Deos das alturas.
(canta Jonatan Théo)



GV100. Presos
Voces daban prisioneros,
Luengo tiempo estan llorando,
En triste cárcel escuro
Padeciendo y suspirando,
Con palavras dolorosas
Sus prisiones quebrantando:
- Que es de ti, Vírgen y Madre,
Que á ti estamos esperando?
Despierta el Señor del mundo,
No estemos mas penando.

Oyendo sus voces tristes,
La Vírgen estaba orando
Cuando vino la embajada
Por el ángel saludando,
"Ave rosa gracia plena"
Su preñez le anunciando,
Suelta los encarcelados,
Que por ti estan suspirando:
Por la muerte de tu hijo
Á su padre estan rogando.

Crezca el niño glorioso,
Que la cruz está esperando.
Su muerte será cuchillo,
Tu ánima traspasando.
Sufre su muerte, Señora,
Nuestra vida deseando.
(cantam Geovani Dallagrana, Graciano Santos e Kátia Santos)


Comentário: Esta peça é quase a celebração de um ritual litúrgico. Abstraindo-nos de seus aspectos religiosos, é uma obra tremenda, se a consideramos apenas do ponto de vista cultural. Uma síntese formidável de toda a redenção pregada pelo cristianismo. Através de cenas rápidas que se sucedem num ritmo nunca monótono, utilizando uma grandiloquente linguagem lírica e precisa, Gil Vicente cria um drama cósmico em que tudo e todos são engolfados num turbilhão, assistidos pelo Mundo, pelo Tempo e pela Morte, e que explica um dos mistérios da religião: a salvação da humanidade. Das obras todas de Gil Vicente em que esta linguagem grandiosa é apresentada, esta é a única em que utiliza a lingua portuguesa.
    Vejamos agora o lado crápula dessa história. O Auto da História de Deus foi apresentado ao rei D. João III (filho de D. Manuel, o Venturoso) e sua mulher D. Catarina (irmã de Carlos V, o todo-poderoso monarca europeu) em Almeirim, como "divertissement" para a Corte. Na época da apresentação da peça, já Portugal orquestrava os serviços do Tribunal da Inquisição, essa maneira brutal e segura de angariar dinheiro sem precisar fazer guerras na África, porque arrebatava principalmente o ouro dos judeus. As alegorias de Gil Vicente mostravam o lado virtuoso da religião numa visão apoteótica, enquanto nos porões do império português nobreza e clero tramavam, um Limbo mais feroz. Vale acompanhar os passos dessa selvageria: Em 1183 o papa Lúcio III delegou a bispos o poder de decidir sobre heresia. Em 1214 o IV Concílio de Latrão criou um tribunal para perseguição e castigo dos hereges. Em 1252 o papa Inocêncio IV sugere o uso de torturas para arrancar confissões dos suspeitos de heresia (inocente no nome, satânico na prática). Em 1497 D. Manuel ordena o batismo de todos os judeus em Portugal; são os cristão-novos, com seus novos sobrenomes portugueses, geralmente tirados de animais e árvores: Carvalho, Nogueira, Pinheiro, Leão, Lobo, Coelho... Em 1536 começa a funcionar a Inquisição em Portugal, com autorização do papa Paulo III (estas autorizações eram negociadas durante anos entre embaixadores portugueses e o Vaticano e custavam ao país arrobas de ouro; claro que tinha que ser um investimento lucrativo). O primeiro auto-da-fé aconteceu em Portugal em 1540. Fogueiras eram acendidas para matar os hereges. Se o herege se arrependesse, os bondosos inquisidores os mandavam matar antes, para que não sofressem as dores das chamas. Resta saber que morte é mais cruel: a fogueira ou a crucificação.

 

Atualizado em ( 07 - 11 - 2013 17:59 )