Gil Vicente. FRÁGOA D'AMOR (1525)

                                               mercúrio
Resumo: Um peregrino explica que Portugal está para conquistar um castelo espanhol, símbolo da rainha Catarina que se casará com o rei português, D. João III. Vênus entra chorando à procura de seu filho Cupido. Ele está organizando com outros deuses uma grande forja para refazer as pessoas, para que todos estejam à altura da rainha. Armou-se no palco um castelo com uma grande forja e de lá saem quatro deuses e quatro serranas, estas representando os quatro prazeres do amor: o olhar enamorado, o falar amoroso, o ouvir com amor, o ser fiel ao amor. Vem um negro. Entra na forja. As serranas cantam uma cantiga e os deuses batem os martelos. Sai o negro inteiramente branco mas com a fala estropiada como antes. Vem uma velha encurvada; é a Justiça, tem a vara torcida e a balança quebrada. Quer ter mãos menores para não receber tanto dinheiro de suborno. Entra na forja mas não endireita. Tiram dela as escórias dos subornos, duas galinhas, duas perdizes e dois sacos de dinheiro, após o quê, ela volta a ser bela. Um Frade quer virar leigo porque há demasiados frades em Portugal. Cupido pede uma Autorização de seu superior. Um Fidalgo quer voltar a ser criança. Outro quer rejuvenecer mas sem que diminua o dinheiro que possui. Volta o Frade com bastante carvão, para ser forjado de novo e se livrar dos afazeres religiosos. Após sua refundição, terminam a peça cantando.
 
... Peregrino (Vide Cortes de Júpiter, GV049)
Nunca fue pena mayor
Ni tormento tan estraño,
Que iguale con el dolor.


GV080. Romeiro
Donde estás que no te veo,
Que es de tí, esperanza mia?
(canta Gerson Marchiori)


GV081. Venus
Tristeza, quien á vos me dió,
Pues no fue la culpa mia,
No se la merecí, no.
(canta Kátia Santos)
 

GV082. Negro
Le bella mal maruvada
De linde que a mi ve,
Vejo-ta triste nojada,
Dize tu razão puruque.
A mi cuida que doromia
Quando ma foram cassá;
Se acordaro a mi jazia
Esse nunca a mi lembrá.
Le bella mal maruvada
Não sei quem cassa a mi,
Mia marido não vale nada,
Mi sabe razão puruque.
(canta Graciano Santos)


GV083. Serranas
El que quisiere apurarse,
Vengase muy sin temor
Á la fragoa del amor.

Todo oro que se afina
Es de mas fina valía,
Porque tiene mejoria
De cuando estaba en la mina.
Ansí se apura y refina
El hombre y cobra valor
En la fragoa del Amor.

El fuego vivo y ardiente
Mejor apura el metal,
Y cuanto mas, mejor sal,
Mas claro y mas excelente.
Ansi el vivir presente
Se pára mucho mejor
En la fragoa del Amor.
 
Quanto persona mas alta,
Se debe querer mas fina,
Porque es de mas fina mina,
Donde no se espera falta.
Mas tal oro no se esmalta,
Ni cobra rico color
Sin la fragoa del amor.
(cantam Carmen Ziege e Kátia Santos)
    

Comentário: Gil Vicente não perdia a chance de exibir os pecados da sociedade, embrulhando-os numa visão crítica de ironia e zombaria. Percebe-se que à medida que seu trabalho era mais reconhecido (a rainha no caso era irmã do mais poderoso rei europeu, Carlos V), ganhava coragem e aumentava a dosagem do veneno moralizante que tinha em sua pena. Desta obra, diversas frases foram suprimidas pelo Index Católico. Considerando-se também a sua obra não teatral, cartas e sermões, percebe-se que devia gozar de um prestígio muito grande na corte. Brincando, sugeria mudanças. Aqui faz uma censura á venalidade da justiça e à quantidade de padres em Portugal, o que fazia diminuir o número de trabalhadores que produziam. Como acontece em algumas peças, há indicação de que a canção das serranas é de autoria do próprio escritor.

Atualizado em ( 07 - 11 - 2013 17:52 )