Gil Vicente. O JUIZ DA BEIRA (1525)

                         pero marques

Resumo: Pero Marques, o marido de Inês Pereira, é juiz em Beira. Houve mexericos sobre seu desempenho e ele é chamado para que julgue na corte, diante do rei. Para mostrar que ele é um rústico, o Porteiro apresenta a ele uma cadeira, para que se sente durante o julgamento. Ele não sabe de que lado deve se sentar e exige um banquinho. Vem Ana Dias e reclama justiça, pois sua filha foi violada. O Juiz diz que são coisas de moços. Diz também que se deve verificar o trigal onde o fato aconteceu. Se as plantas estiverem muito amassadas. é sinal de que houve violência; do contrário, não. Vem um sapateiro e discute com Ana Dias. Ela alcovitou e seduziu sua filha para o pecado, convidando-a a visitar um jovem. O Juiz dá a sentença: se fosse um convite para trabalhar, será que a moça iria? Mas manda que Ana Dias seja açoitada. Vem um Escudeiro. Apaixonou-se por uma moura e usou os serviços de Ana Dias. Gastou o que tinha e não conseguiu a moça. O Juiz absolve a alcoviteira. O mesmo escudeiro pede que o criado lhe devolva a roupa nova, já que não quer trabalhar mais para ele. O Juiz faz o julgamento, deixando o caso como está. Vêm quatro irmãos discutir uma herança, um asno deixado pelo pai. Cada um tem uma característica principal: um é preguiçoso, um é dançarino, um é esgrimista e um é apaixonado. O Juiz quer que o asno seja citado para a próxima audiência, para que conclua o julgamento. Cantam todos e acaba-se a comédia.


GV078. Amador
Leixar quero amor vosso,
Mas não posso.
(canta Jaqueson Magrani)


GV079. Todos
Vamos ver as Sintrans,
Senhores, á nossa terra,
Que o melhor está na serra.
As serranas Coimbrans
E as da serra da Estrela,
Por mais que ninguem se vela,
Valem mais que as cidadans:
São pastoras tão louçans,
Que a todos fazem guerra
Bem desde o cume da serra.
(canta João Batista Carneiro)

Comentário: Leve comédia com personagens engraçados, em situações típicas da época. O fato de o Juiz ser o personagem de uma peça anterior prova muito que aquela peça realmente tinha agradado. Há toda uma crítica a julgamentos muito parciais, pois, na verdade, todas as decisões do Juiz são inusitadas. Pero Marques representa aqui uma justiça ingênua, desatada dos labirintos da lei, mas que se revela como verdadeira sabedoria popular. A literatura oral de todos os povos apresenta casos semelhantes.
    É bom citar os julgamentos rápidos e inteligentíssimos de Sancho Pança, no capítulo 45 da segunda parte do Don Quixote de Cervantes (1547-1616). Num dos casos mais difíceis, verdadeira charada apresentada para julgamento (capítulo 51), Sancho diz que o homem deve continuar vivo pois quando a Justiça está em dúvida, recorre-se à misericórdia.
    No Alcorão, num trecho que narra parte da história de José no Egito, há também um julgamento simples a respeito da calúnia da mulher do egípcio que comprara José (não é mencionado o nome Putifar): esta diz que o jovem tentou violentá-la e ele desmente. Um testemunho da familia dela sentencia: se a túnica de José estiver rasgada na frente, ela fala a verdade; se estiver rasgada atrás, ele está sendo sincero (capítulo 12, 22 a 30).

Atualizado em ( 07 - 11 - 2013 17:51 )