Gil Vicente. COMÉDIA DE RUBENA (1521)

                                     feiticeira

Resumo: Cena primeira: Um prólogo, como no teatro latino, anuncia a narrativa. Rubena foi engravidada por um jóvem clérigo. Ela apresenta um triste monólogo sobre a sua situação ("mais dói o arrependimento que a dor do parto"). Sua criada traz uma parteira que nos brinda com sortilégios facilitadores do parto ("Dizei tres vezes passinho: o verbo caro fato he: dou-vos a San Sadorninho..." A parteira faz vir uma Feiticeira para que cuide dela, escondendo assim o parto do pai de Rubena. Diabos, a mando da Feiticeira, levam Rubena à montanha. Ali ela dá à luz uma menininha, Cismena.

    Cena segunda: A Feiticeira e os Diabos cuidam da menina. Duas fadas devem zelar por ela. A seguir vê-se a pequena Cismena com pastorezinhos. As fadas predizem uma boa fortuna para a menina.

    Cena terceira: Já jovem, as Fadas encaminham Cismena a Creta. É adotada por uma nobre que morre e lhe deixa a fortuna. Cismena é cortejada por muitos mas acaba se casando com o príncipe da Síria.
 

GV060. Benita
Tiempo era caballero,
Que se me acorta el vestir.
(canta Carmen Ziege)


GV061. Feiticeira
Ru ru, menina, ru, ru,
Mourão as velhas e fiques tu
C'o a tranca no cu.
(canta Jorge Teles)
 

GV062. Ama
Llevantéme un dia
Lunes de mañana.
(canta Kátia Santos)


GV063. Feiticeira
De las mas lindas que yo vi.
(canta Jorge Teles)


GV064. Cismena
Grandes bandos andão na côrte,
Traga-me Deos o meu bonamore.
(canta Carmen Ziege)
 

GV065. Lavrandeiras
Halcon que se atreve
Con garza guerrera
Peligros espera.

Halcon que se vuela
Con garza á porfía,
Cazar la queria
Y no la recela:
Mas quien no se vela
De garza guerrera
Peligros espera.
 
La caza de amor
Es de altanaría;
Trabajos de dia,
De noche dolor:
Halcon cazador
Con garza tan fiera
Peligros espera.
(cantam Carmen Ziege e Kátia Santos)
 

GV066. Dario
D'amores jaço,
Quando as torço d'amores dormo.
(canta Geovani Dallagrana)
 

GV067. Dario
Consuelo véte con Dios;
Pues ves la vida que sigo,
No pierdas tiempo conmigo.
Consuelo mal empleado,
No consueles mi tristura;
Véte á quien tiene ventura,
Y deja el desventurado.
No quiero ser consolado,
Antes me pesa contigo:
No pierdas tiempo conmigo.
(canta Geovani Dallagrana)
 

GV68. Lavrandeiras
Bien quiere el viejo,
Ay madre mia,
Bien quiere el viejo
A la niña.
(canta Kátia Santos)

 

 

Comentário: Uma comédia bem cuidada, cheia de referências ao cancioneiro popular. Mas não mantém uma unidade, é fragmentada. Pela primeira vez em seu teatro, Gil Vicente apresenta um prólogo e divide a narrativa em cenas, como já era costume no teatro espanhol. Em algumas peças futuras, o prólogo aparecerá outras vezes, mas não mais se verá a divisão em cenas, mesmo em peças com mais de um cenário.

    Na primeira cena e em parte da segunda, a atuação entre os diabos, a feiticeira e as duas fadas dá uma nota cômica e fantástica à tragédia da moça engravidada pelo clérigo irresponsável. Ao final da segunda cena surge um clima do que poderíamos chamar de pastoral infantil. Só a terceira cena apresenta-se como comédia romântica, na verdade um drama romântico, com todos aqueles ingredientes emocionais característicos, como a disputa dos pretendentes, o enamorado que morre por amor e o Príncipe disfarçado por amor. Este mantém, em quadrinhas, um longo e lírico diálogo com o eco.

 

Atualizado em ( 07 - 11 - 2013 17:47 )