Gil Vicente. CORTES DE JÚPITER (1521)

                                                 Venus
Resumo: A Providência entra, enviada por Deus. Faz vir a Júpiter, rei dos planetas. A infanta portuguesa Beatriz, filha de Dom Manuel, está de partida para Sabóia, para casar-se com o duque. O rei dos deuses deve ordenar ao mar e aos ventos tranquilidade para a viagem. Entram os quatro Ventos. Tocam trombetas para chamar o Mar. Vem o Mar, furioso. Diz a Júpiter que só obedece à Lua. Vêem a seguir o Sol, a Lua e Vênus (a Estrela Dalva). Júpiter dá as ordens. E os deuses começam a organizar o séquito da infanta: nobres, damas e gente da corte, metamorfoseados em peixes e aves, deverão acompanhar a frota pelo rio Tejo até a entrada no mar, quando ouvirão o canto de cento e trinta mil sereias. Vem Marte, que acompanhará o cortejo, para que não haja ataque de inimigos. O canto de um romance, que narra a viagem da infanta, desencanta uma Moura com seu linguajar estropiado (Mi no xaber que exto extar, mi no xaber que exto xer, mi no xaber onde andar - Não sei onde estou, não sei o que é isto, não sei por onde ando). A Moura entrega à Infanta 3 prendas mágicas. Cantam e finda-se a peça.


GV043. Sol
Niña erguedme los ojos,
Que a mi namorado m'hão.
(canta João Batista Carneiro)

GV044. Lua
Eu m'era Dona Isabel,
Agora raia do alto.
(canta Carmen Ziege)

GV045. Sol
Yo me soy Pero Çafío.
(canta João Batista Carneiro)

GV046. Júpiter
Não me quiz casar meu pae,
Ora folgae.
(canta Carmen Ziege)


GV047. Sol
Aquel caballero, madre, se me habrá
Con tan mala vida como há?
(canta Carmen Ziege)

GV048. Sol
A que horas me mandais
Aos olivaes!
(canta Jorge Teles)
 
GV049. Venus
Nunca fue pena mayor,
Ni tormento tan estraño
Que iguale con el dolor.
(canta Carmen Ziege)
 
GV050. Venus
Estes meus cabellos, madre,
Dos á dos me los lleva el aire.
(canta Jorge Teles)


GV051. Venus
De vos y de mi quejoso,
De vos porque sois esquiva.
(canta Carmen Ziege)

GV052. Venus
Enganado andais, amigo,
Comigo;
Dias ha que vo-lo digo.
(canta Carmen Ziege)

GV053. Júpiter
Gentil dama valerosa,
Y doncella por cuyo amor.
(canta João Batista Carneiro)

GV054. Júpiter
Sem mais mando nem mais rôgo
Aqui me tendes, levae-me logo.
(canta Carmen Ziege)


GV055. Sol
Al dolor do mi cuidado,
Y en tus manos la mi vida,
Me encomiendo condenado.
(canta João Batista Carneiro)

GV056. Sol
Se disserão digão alma mia.
(canta Carmen Ziege)

GV057. Sol
Por el rio me llevad, amigo,
Y llevadme por el rio.
(canta Carmen Ziege)
 

GV058. Todos
Niña era la Ifanta,
Doña Beatriz se decia,
Nieta del buen Rey Hernando,
El mejor Rey de Castilla.
Hija del Rey Don Manuel
Y Reina Dona María.
Reyes de tanta bondad
Que tales dos no habia.
Niña la casó su padre,
Muy hermosa á maravilla,
Con el Duque de Saboya,
Que bien le pertenecia,
Señor de muchos señores,
Mas que Rey es su valia.
Ya se parte la Ifanta,
La Ifanta se partia
De la muy leal ciudad
Que Lisbona se decia;
La riqueza que llevaba
Vale toda Alejandria.
Sus naves muy alterosas,
Sin cuento la artilleria;
Va por el mar de Levante,
Tal que temblaba Turquia.
Con ella va el Arzobispo
Señor de la Cleresia;
Van condes y caballeros
De muy notable osadía;
Lleva damas muy hermosas,
Hijas dalgo y de valía.
Dios los lleve á salvamiento
Como su madre querria.
(canta Jorge Teles)

 

Comentário: Famosa obra de Gil Vicente. Já à maneira renascentista, mistura o maravilhoso pagão ao maravilhoso cristão. Observe-se, porém, que não comparecem os deuses mas os astros a que eles se referem: Júpiter, o Sol, a Lua e a Estrela Dalva (Vênus) Pela presença destes e dos ventos, a obra se constitui num exemplo rico de um espetáculo feérico, grandioso.
    A peça foi encenada como ponto culminante de uma festa que durou a tarde e a noite, na véspera da partida da infanta para a Itália. Durante o dia um faustoso cortejo percorreu as ruas de Lisboa, indo do Palácio à Igreja da Sé, e indo dali para o paço da rainha viúva, Dona Leonor, para a despedida da infanta. Voltando ao Palácio por outro caminho, houve um baile - o rei dançou com a filha - e encerrou-se a noite com a apresentação da peça de Gil Vicente.
    Pela maneira como os astros-deuses distribuem as transformações da nobreza em peixes e aves, para que sigam o cortejo das treze naus até o mar, designando alguns deles pelos nomes e grau de nobreza, a história de Portugal acaba fazendo parte da peça, já que a platéia está inserida na encenação.
    Toda a peça é em português, com frases de canções em castelhano. O romance no entanto, que faz um resumo de toda a saga da viagem, é  em castelhano.
    Almeida Garret (1799-1854), em 1838, apresentou a peça Um auto de Gil Vicente, com a explícita intenção de inaugurar o moderno teatro português. A trama gira em torno da encenação de Cortes de Júpiter, aparecendo como personagens Gil Vicente, Paula Vicente, sua filha, Bernardim Ribeiro (poeta contemporâneo) e pessoas da Corte. Bernardim Ribeiro ama a infanta Beatriz. Sabendo da encenação na véspera de sua partida, disfarça-se e assume o papel da Moura, entregando-lhe um anel como prenda. O rei Don Manuel percebe algo estranho e suspende a apresentação. A infanta desmaia. No dia seguinte Bernardim consegue entrar na nau que levará Dona Beatriz e faz sua declaração de amor.
    (Obs: Há citações de trechos curtíssimos de canções populares; juntei-as em 4 sequências e criei um pequeno interlúdio entre elas, com variações).

Atualizado em ( 07 - 11 - 2013 17:44 )