Vizitantoj
Trafoj por rigardoj de enhavo : 680429
Retumante
Nun estas 11 vizitantoj retumante
Descrição

Este saite está em constante construção; contém: Projeto Gil Vicente, 44 peças, com resumos, comentários e canções que fiz para as peças (Português, Esperanto); Dante Alighieri - Vita Nova, canções que fiz para os 31 poemas do livro Vita Nova (italiano); Traduções e Adaptações (inclui O Corvo, de Poe), Conta outra Vó (histórias infantis, Português, Esperanto); Peças para fantoches; Trilogia Cética; Canções Infantis Brasileiras em Esperanto. A Espécie Humana (romance), O Dia sem Nome (romance), Apolo e Jacinto (romance). A intenção é alimentá-lo semanalmente./ Ĉi paĝo konstante ricevas ion; Ĝis nun: Projekto Gil Vicente (Portugale, Esperante) kun resumoj, komentarioj kaj kanzonoj, kiujn mi verkis por la teatraĵoj; Dante Alighieri, Vita Nova, kanzonoj por la 31 poemoj de la libro Vita Nova (itale); Tradukaĵoj kaj adaptaĵoj (Portugale); Teatraĵoj por pupteatro (Portugale); Rakontu alian anjo (infanaj rakontoj, Portugale/Esperanto); Skeptika Trilogio (Portugale/Esperanto); Brazilaj Infanaj Kanzonoj. La Homa Specio (romano, Portugale, Esperante), La Tago sen Nomo (romano, Portugale, Esperante), Apolono kaj Hiakinto (romano, Portugale, Esperante) Mi intencas aldoni ion ĉiusemajne.

Alma desdobrada, cap. 108, 109, 110, 111 e 112.

Alma desdobrada, capítulos 108, 109, 110, 111 e 112.

 

108.

          devo ir a petrópolis, receber uma duplicata para a madeirit. levo o primeiro volume de crime e castigo. comprei-o, porque lera recordações da casa dos mortos, um livro que achara estranhamente belo. eu tinha comprado as recordações por acaso, numa liquidação de livros; havia um nero, de alexandre dumas, e as recordações. nada sabia a respeito do autor. ninguém jamais falara a mim sobre ele. deu-se, pois, que li as recordações e comprei o crime e castigo.

          naquela época eu não sabia o que me atraía em dostoievski. eu o amei loucamente desde o princípio. nenhum homem, nenhuma criatura, me falou tanto ou tão fundo do que penso ser meu: meu coração, meu destino, minha vida, minha história, meu universo.

 

109.

          Z..., Z..., que coisas adormecem no teu coração?

          Z..., Z..., que coisas já se despertaram em você?

          Z..., Z..., me fale de mim, jorge! quero saber mais de você.

 

Atualizado em ( 31 - 05 - 2015 11:24 )

Leia os capítulos 110, 111 e 112.

 

Alma desdobrada, cap. 103, 104, 105, 106 e 107.

Alma desdobrada, capítulos 103, 104, 105, 106 e 107.

 

103.

         numa feira de livros no largo da carioca, comprei um livrinho com reproduções do juízo final da capela sistina. fui para casa olhando aquelas enormes criaturas cheias de uma carne rija e rósea. eu tremia, eu quase chorava. eu tinha dezessete anos.

         durante toda a noite eu tremi e me debati. uma só vertigem e uma só febre, com aqueles santos todos a provocar um temor desconhecido. eu sentia algo estranho, como a forte comoção que algumas músicas criavam em mim. a impressão deixada pelas figuras do juízo final, foi de que eu me tocara de maneira violentamente profunda com aquelas belíssimas figuras. eu entendera a mensagem artística do pintor. sua obra me comovera.

 

Atualizado em ( 20 - 10 - 2019 19:23 )

Leia os capítulos 104, 105, 106 e 107.

 

Alma desdobrada, cap. 97, 98, 99, 100, 101 e 102.

Alma desdobrada, capítulos 97, 98, 99, 100, 101 e 102.

 

097.

          dois dias numa maratona de arte: expressão corporal, danças mil, bonecos, emoções em alta velocidade. quanto dormindo eu estava naqueles anos anteriores? minha vidinha parecia um computador: respostas corretas de acordíssimo com o programa. Y... paira à minha frente às vezes, com seu sorriso de anjo indefeso e seus olhos de fera benigna. enquanto danço e pulo e brinco, não percebo que estou correndo em direção à minha maior liberdade. não sei o perigo que corro: o perigo de ser feliz. é perigoso ser feliz. não percebo que meu coração cresce, se meu coração cresce pode vir a arrebentar as couraças. estou me preparando para sofrer. para me parir. para parir o eu mais meu. corro, danço, brinco, pulo em direção ao que desconheço.

 

 098.

          o trem corre em direção a amsterdam. estou entrando em terras alemãs. cansado, cheio de coisinhas juntadas aos bocados. a polícia entra e pede o passaporte. há alguém mais na cabine. a polícia usa de uma agressividade irônica e patente. não escondem o desprezo e humilham. eles não sabiam que estudei cinco anos de alemão. os dois que tinham entrado ficam olhando meu passaporte. um deles sai. já volta com alguém que devia ser chefe, porque o uniforme tinha uns enfeites a mais. zwei brasilianer zusammen? nur eins! enfim, saem. durante todo o percurso dentro de terras alemãs, um deles entrava, acendia a luz, ficava olhando minha bagagem até que eu acordasse, eu acordava e levantava a cabeça. e ele apagava a luz e saía. daí a pouco repetiam a cena silenciosa... eu comecei a sentir medo... Isto durou até a fronteira. ele apenas queria que eu acordasse e o visse.

         nada mais quero falar daquele incidente.

         direi apenas que cada povo tem a polícia eleita pelo consenso geral. no brasil a polícia tortura e mata porque o povo apoia a tortura e o assassinato. na alemanha, a polícia é alemã: sugestivamente agressiva e delicadamente violenta.

         direi mais assim: se vocês não querem que a gente ponha os pés no seu país tão perfeito, tudo bem: legislem isto! mas levem daqui os telefunken, volkswagen e todo o resto. o que pensam? somos porventura criados baratos, impedidos de transitar pelos salões do patrão?

  

Atualizado em ( 01 - 09 - 2019 15:08 )

Leia os capítulos  99, 100, 101 e 102.

 

Alma desdobrada, cap. 91, 92, 93, 94, 95 e 96.

Alma desdobrada, capítulos 91, 92, 93, 94, 95 e 96.

 

091.

          estou fazendo hora numa livraria, descubro homero, a odisséia. abro distraído e levo um susto ao ler os nomes dos deuses do olimpo. então é verdade que há livros que falam dessas criaturas? namoro o livro por diversos dias. chegado o pagamento, compro o homero e mergulho num mar de desvairadas aventuras. todo eu estremeço de felicidade. minha cabeça se povoa de fantasias.

  

092.

          o brunetti me sugeriu que eu fizesse uma árvore genealógica da família e falasse de cada pessoa. patente ficou para mim que os padrões que recebi de minha família, no que se refere a diferenciação de sexos, é mais ou menos assim definida:

         ser homem é ser marginal, bêbado, violento, diabólico. ser homem não presta. presta ser caseiro, obediente, bonzinho.

  

093.

           houve um tempo dentro de mim em que o ato sexual transparecia como o mais violento dentre os pecados. dormir com uma mulher era um fato que deixaria marcas de um espantoso arrependimento. penso agora, aqui, enquanto escrevo, que eu poderia ter atribuído pecado a um ato que, por outros motivos, me apavoraria.

         por que motivos eu me apavoraria?

  

Atualizado em ( 14 - 03 - 2015 23:45 )

Leia os capítulos  94, 95 e 96 .

 

Alma desdobrada, cap. 86, 87, 88, 89 e 90.

Alma desdobrada, capítulos 86, 87, 88, 89 e 90.

  

086.

 

         escrevi na minha mão: amar é achar um pai; desamar é ficar novamente órfão.

  

087.

          não sei o que espera meu choro. não sei por que ele não se desencadeia de vez, em vez de ficar se amarrando por dentro. me amarrando, como eu tenho sentido nestes últimos dias.

         me amarrando sem cordas. num purgatório.

 

Atualizado em ( 08 - 03 - 2015 00:47 )

Leia os capítulos 89, 89 e 90.

 
Pli multe da artikoloj...

<< Komenco < Antaŭa 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 Sekva > Fino >>

Paĝo 20 de 115